Johnny Winter: o blueseiro albino que faz rock and roll na sua mente

A ousadia. O abuso. A arte de ouvir a guitarra elétrica de Johnny Winter causa arrepios nos elétrons do cérebro. Imagine que é sexta-feira à tarde. O sol está se pondo e você já trabalhou duro a semana inteira. Então deixa o escritório, a oficina, a sala – ou onde quer que trabalhe  – e sai caminhado em direção ao estacionamento onde deixou sua motocicleta. O peito aberto, o asfalto limpo, muito blues e um cheiro de liberdade entorpece a sua mente. O sol se pôs no horizonte e a noite é uma criança cheia de esperança nos olhos.

Muito embora Johnny Winter se traduza em algo como ‘Joãozinho Inverno‘, sua música pode ser ouvida com satisfação na primavera, no outono e até mesmo no verão. Este gigante do Blues norte-americano, falecido aos 70 anos de idade, clama por ser escutado, em gritos melancólicos vindos das profundezas das plantações do sul dos Estados Unidos. Estacione sua moto no pub de sua preferência, exiba sua tatuagem de águia no braço logo que entrar no salão, para espanto de todos os presentes. Quebre um taco de sinuca ao meio, com as próprias mãos. Grite que é dia de rock, nenê! – mas não perca a irreverência: coloque um chapéu.

johnny-winter-01

Quando Johnny Winter nasceu, em 1944, Beaumont, no Texas, tinha aproximadamente 75 mil habitantes. A cidadezinha do Golfo do México mal poderia imaginar que dali sairia um dos grandes músicos da História do Blues. E ele era albino. O pequeno Johnny faria estremecer os palcos da música anos mais tarde, ao lado de seu irmão Edgar Winter. Que também era blueseiro. Também de Beaumont, Texas. Também albino. Quem disse que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar?

Johnny-Winter-1969A carreira de Johnny Winter começou aos 15 anos de idade, quando gravou uma música com sua banda Johnny and the Jammers, numa época em que suas maiores referências musicais eram B. B. King, Muddy Waters e Bobby Bland. Anos mais tarde, em 1968, gravou seu primeiro álbum pela Sonobeat Records, com o título de Progressive Blues Experiment. Em seguida, num lance de sorte, ao tocar ao vivo a música It’s My Own Fault de B. B. King, foi ovacionado pelo público num show em que estavam presentes produtores da Columbia Records. Poucos dias depois, Johnny Winter assinava um contrato de 600 mil dólares com a nova gravadora. Dali para se apresentar no Festival de Woodstock foi apenas um tom de distância.

Seria necessário especular se, por acaso, sua voz rouca e cortante (cheia de dor e fúria rebelde, mais rock and roll que o rock) faria o mesmo sucesso sem a presença mágica do dinheiro fácil na plateia? Provavelmente alguém o descobriria em qualquer lugar. Um talento natural como o de Johnny Winter é reconhecido onde quer que vá. E seu estilo inconfundível, vestindo chapéu de cowboy, ostentando olhos azuis desfalecidos, com longos cabelos brancos e tatuagens marcantes, impressionam até hoje.

Por mais que você esteja querendo ficar sossegado no pub e curtir seu final de semana numa boa, bebendo tranquilamente uma boa cerveja ou uma dose de uísque, é impossível ficar indiferente às canções de Johnny Winter, enquadradas no mais alto nível de Blues Rock. São altas doses de emoção artística vibrando em cada veia de seu corpo quando você escuta músicas tão maviosas e agressivas quanto Mean Mistreater (1969), Leland Mississippi Blues (1969) ou Don’t Take Advantage of Me (1984).

johnny-winter-02A passagem do meteoro Johnny Winter pela Terra foi sentida entre diversos artistas da música, entre eles Rick Derringer, seu companheiro de banda, e Muddy Waters, com o qual produziu três álbuns e ajudou a conquistar três Grammy Awards, além de outros como Joe Bonamassa, Eric Clapton ou Billy Gibbons. Após um problema com o vício em heroína, Johnny Winter retornou com toda força em Still Alive and Well (Ainda Vivo e Bem, 1973), uma notável peça de arte com fortes raízes no Blues e folhas exuberantes no Rock, e músicas dignas muitas notas e acordes, tais quais Silver Train, Let it Bleed e Rock me Baby.

Nem tudo que reluz é ouro e, em 1996, Johnny e Edgar Winter perderam uma ação movida na justiça norte-americana contra a DC Comics, alegando um tipo de difamação com a criação dos personagens Johnny e Edgar Autumn (Outono) para a HQ Jonah Hex. Johnny e Edgar Autumn foram retratados como, supostamente, vilões covardes, depravados e estúpidos. Porém, a obra de ficção foi protegida na justiça pela 1a Emenda à Constituição dos Estados Unidos da América: aquela da tal liberdade de expressão.

Mesmo que o gelo do seu copo de uísque já tenha derretido, não esqueça de fechar os olhos e sonhar. Peça ao garçom que lhe conte mais uma história antiga de Johnny Winter, dos áureos tempos em que ele tocava no pub texano após às 22h. Talvez ele lhe conte algo sobre seu casamento de 1992 com Susan Warford, ou sua indicação ao Grammy Award em 2004 por seu álbum I’m a Bluesman, além de outras nomeações por Guitar Slinger (1984), Serious Business (1985) e Let Me In (1991). Seu último disco, Step Back, com a participação de Ben Harper, Paul Nelson, Leslie West, entre outros gigantes, foi lançado postumamente em setembro de 2014.

Johnny-Winter-03Assim como o planeta gira, o tempo passa e sol nasce, as estrelas morrem. Johnny Winter faleceu em 16 de julho de 2014. Foi encontrado morto em seu quarto de hotel em Zurique, na Suíça, apenas dois dias após sua última apresentação, no Cahors Blues Festival, na França. Sem deixar de ser reconhecido por seu poderoso talento vocal e virtuosismo com a guitarra ainda em vida, Johnny Winter também foi homenageado após a morte com o Grammy Award de Melhor Álbum de Blues, bem como o Blues Music Award de Melhor Álbum de Rock Blues, por Step Back e recebeu o B.B. King International Artist of The Year Award. Um filme sobre a vida e a carreira musical de Johnny Winter, chamado Johnny Winter: Down and Dirty, foi lançado em DVD em 2016.

Você acorda com a cara amassada sobre a mesa. O copo está vazio. O pub também está vazio. O sol está a pino no céu. Sua cabeça está uma pilha. Você levanta, vai ao banheiro. Lava o rosto. Volta ao salão, observa tudo ao seu redor. Seu chapéu está jogado num canto. As mesas de sinuca contém restos de chips. Johnny Winter uiva em sua mente. Você abre a porta para a rua, o sol arde em seu rosto. Sua motocicleta foi roubada. É sábado. Que grande dia para um café preto e uma boa caminhada…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s